Frustrações Olímpicas

Um pouco mais sobre os Jogos de Londres. Antes uma pequena digressão.

Para mim nosso desempenho nos jogos sempre foi de altos e baixos. Aprendi isso  à base de muita frustração e surpresas. A primeira Olimpíada que acompanhei foi a de Los Angeles, onde chegamos perto de ganhar uma série de medalhas de outro, um tanto beneficiado pelo boicote do leste europeu. E nem foram tantas medalhas assim, foram 8. Mas ver o Joaquim Cruz vencer o Sebastian Coe foi inesquecível, assim como a frustração com o prata de Ricardo Prado, então recordista mundial do 400 metros medley.

Seul já foi meio frustrante, especialmente pelo basquete masculino, que vinha da mítica vitória sobre os Estados Unidos no Pan, e pelo prata de Joaquim Cruz, nossa maios esperança e pela seleção de futebol que foi crescendo na competição e tinha tudo para ganhar o outro.

Barcelona foi uma verdadeira ducha de água fria, apenas 3 medalhas. Valeu pelo outro no volei, superando nosso complexo no esporte de ser sempre uma segunda força.

Foi em Atlanta que nos sentimos realmente bem pela primeira vez. Era praticamente uma medalha por dia. Claro que teve a entrada do volei de praia, mas mesmo assim um salto de 3 para 15 medalhas não pode ser colocado apenas na conta do novo esporte. Passamos a ganhar medalhas na natação, no hipismo, quase conseguimos no tennis. Parecia que enfim alcançaríamos novo patamar.

Aqui começa o problema das expectativas. Se ganhamos 15 em Atlanta, para Sydney passamos a exigir 20. Tínhamos bons motivos para isso, como nossos campeões mundiais Roberto Scheidt e Rodrigo Pessoa. Guga jogando o fino, o volei de praia, a seleção feminina de volei jogando de igual para igual com Cuba e Russia. A imagem da Olimpíada infelizmente foi a do cavalo do Rodrigo Pessoa refugando o obstáculo no caminho para levar o ouro.

De qualquer forma, o patamar de dois dígitos de medalhas se confirmou, embora proporcionalmente nosso número de ouros não seja bom. Parece que falta alguma coisinha para subir no degrau mais alto do pódio.

Então porque a choradeira generalizada sobre nossas campanhas olímpicas? O problema é que políticos, burocratas do esporte e mídia colocam nossas atletas acima de suas reais possibilidades. Somos convencidos a cada ciclo olímpico que temos mais chances do que realmente temos, o que sempre gera uma enorme frustração. A afirmação do COB de que a meta eram de 15 medalhas passou quase despercebida, rodapé de jornal.

O PAN ainda piora ainda mais a situação e o grande exemplo é Tiago Pereira. Suas 20 medalhas no torneio continental se transformaram em uma única olímpica. Para mim, o PAN só serve para mostrar que realmente nossos atletas de alto nível evoluíram uma barbaridade em 20 anos; o problema é que não temos atletas de alto nível em número suficiente.

O modelo de investir no atleta de alto rendimento, coisa que não existia até o final da década de 90 chegou no seu limite. Não adianta enfiar mais dinheiro que não vai sair mais resultado do que isso que temos. O que precisamos é ter mais atletas de alto nível e isso só se faz pela massificação do esporte no país.

Como fazer isso? A primeira resposta é sempre a mesma, dinheiro. Pois eu acho que pode colocar o dinheiro que for no Ministério dos Esportes, não vai dar em nada. Não é verdade que o brasileiro só pensa em futebol, uma grande parte não dá a mínima para nosso esporte mais praticada, só que não dá a mínima para nenhum outro esporte. Nosso problema é cultural.

É fácil falar que o brasileiro só liga para os outros esportes em época de Olimpíadas, mas a pergunta deve ser invertida, por que o brasileiro só se liga em esportes em época de Olimpíadas? O que tem de diferente?

Pensem nisso. Continuo minhas reflexões em outro post.

Anúncios

4 comentários sobre “Frustrações Olímpicas

  1. Com a população e o clima que tem, o Brasil deveria ganhar muito mais medalhas. Mas você acertou em dois pontos importantes – falta um pouco mais de competitividade e de investimento de base, em se criar uma cultura em que o esporte seja promovido em geral. Eu vejo isso aqui no Canada. Se vc for ver os atletas canadenses, um numero disproporcional é do Quebec. Pq? Pq no Quebec, principalmente em Montreal, o esporte é SUPER incentivado e promovido. Existem não só centros de treinamento de alto nível, como era o centro aquático onde o Alan nadava, mas todo bairro tinha uma piscina pública, mantida por voluntários e alguns poucos funcionarios municipais, onde as crianças passavam o dia no verão. E havia de tudo nessas piscinas: nado sincronizado, natação, polo aquatico, salto ornamental… tudo super baratinho, acessível, geralmente a duas quadras de casa. E as piscinas então organizavam competições entre todas as piscinas e nessas competições tinha de tudo: desde o ex campeão olímpico até o pai de alguem competindo. Era o máximo, super divertido. Mas com isso as crianças pegavam gosto e algumas seguiam praticando o esporte predileto durante o inverno. E se o atleta se destaca e começa a se classificar para competições internacionais, o governo dá todo tipo de incentivo, creditos no imposto de renda, existem escolas com progamas específicos para atletas, etc… Faz a maior diferença. A Adrienne era atleta de nível internacional. Ganhou muitas medalhas tanto nas competições nacionais como internacionais. Mas a mãe dela se mudou aqui pra Toronto, onde dão muito menos apoio e onde existe somente UMA piscina de 50m e uma equipe de salto ornamental, e o nível dela caiu MUITO. Depois de 1 ano aqui, ela teve que voltar pra Montreal. Pra chegar no nível de uma medalha de ouro, não basta ter talento.

    A Australia percebeu isso quando veio participar das olimpiadas de Montreal em 1976. Não foi bem, ganhou poucas medalhas, mas o governo australiano resolveu que queria um dia sediar as olimpiadas e que queria ir bem. Então passaram a investir MUITO no esporte de base, programas para criancas, recrutando treinadores do mundo todo. Eles sabiam que ia levar uma geração – no minimo 20-30 anos. E não deu outra, quando chegou a época das olimpiadas de Sydney, eles foram super bem e hoje a Australia se destaca em vários esportes. Muitos treinadores e nadadores lá da piscina do Alan em Montreal se mudaram pra australia pq lá tinha muito incentivo.

    Não adianta só colocar um pouco de dinheiro nos atletas que se destacaram. Ajuda sim mas tem que aumentar a base, ter mais atletas pra poder ter mais competição; exatamente o que vc falou. É por isso que o volei brasileiro vai tão bem – tem realmente muito investimento e é bem organizado. Já ajuda bastante.

  2. Mas como eu comentei com a Geíza, ao menos aqui a imprensa não é tão crítica e trata toda medalha de prata e bronze como uma derrota. Tem gente que critica isso, acha que tao sendo muito bonzinhos com os atletas, mas sei lá…

  3. Esse investir muito é um dos problemas. Onde conseguir os recursos? Somos um país que ainda não conseguiu dar água potável para toda a população, que 40% ainda não tem rede de esgoto. Sei dos benefícios do esporte, inclusive para a saúde, mas como equacionar isso tudo? Acho que não se pode colocar como meta para um investimento em esportes o ganho de medalha nas Olimpíadas e sim todos os benefícios que a prática saudável (sim, existe a não-saudável) esportiva traz. As medalhas e atletas de alto nível são consequências de uma prática generalizada de esportes e não um fim em si mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s