Lendo Borges

Jorge luis borges

Em 2008 li a El Informe de Brodie, um dos livros de contos do argentino Jorge Luis Borges. Na época não achei nada de extraordinário e pouco me lembro das estórias. Tenho um cunhado que adora literatura latino-americana, mas um dos autores que o decepcionou foi justamente o de Borges. Achei curioso porque apesar de não ter achado seus contos ruins, também não cheguei ao ponto de achá-los ruins, apenas desinteressante. Talvez tenha contribuído o fato de tê-los lidos em espanhol.

Resolvi dar outra chance para o escritor argentino e comecei a ler Ficciones, talvez seu livro de contos mais famoso. Li perplexo os dois primeiros contos, Tlön, Uqbar, Orbis, Tertius _ não se enganem, é um conto só _ e Pierre Menard, autor del Quijote. O fato destes contos terem me dado uma noção de perplexidade mostra que desta vez o autor tinha me atingido de uma forma diferente; afinal, o que estava querendo dizer?

Uma rápida pesquisa na internet mostrou-me que cada conto de Ficciones possui uma análise detalhada na própria wikipédia. Foi então que comecei a vislumbrar a genialidade do argentino. Eu li os dois contos, mas ao mesmo tempo não os li! Fiquei apenas na camada superficial, sem ter me perguntado efetivamente sobre o que ele estava tratando! Voltei aos contos e os li novamente, agora sobre outro enfoque e o resultado foi de me deixar realmente impressionado. Os temas de Borges são essencialmente metafísicos. Em Tlön, Uqbar, Orbis, Tertius ele trata do problema da idealização, da não aceitação da realidade, que leva algumas pessoas a criarem um mundo a parte e tentar torná-lo real; em Pierre Menard temos um autor que resolve recriar o livro de Cervantes para o século XX, copiando-o palavra por palavra! Borges está tratando do problema de interpretar a obra pela visão que temos do autor e não pela obra em si. Don Quijote é outro livro quando sabemos que foi escrito por um autor do século XX, embora seja o mesmo texto!

Ainda estou lendo Ficciones mas dessa vez mudei minha aproximação. Não há como ler os contos de forma ligeira, desatenta. É preciso ler com a máxima atenção e de forma ativa, se perguntando sempre sobre o que Borges está tratando, quais os temas do conto, o que quer nos dizer. Acreditem, é uma experiência e tanto.

Enfim, me reconciliei com Jorge Luis Borges.

Exemplo:

Leiam este conto: http://www.releituras.com/jlborges_loteria.asp

E depois se perguntem:

– qual o tema de Borges?

– o que ele quis representar?

– qual a ligação de seu conto com nossas vidas?

Bom divertimento!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s