E foi-se, oficialmente, Hugo Chavez

Agora é oficial, Hugo Chavez está morto. Não comemoro a morte de ninguém; até porque não considero morte um castigo. Lamento apenas que tenha partido sem ter se arrependido do imenso mal que fez a todo um povo reduzindo seu país em um satélite de um país falido em todos os sentidos, Cuba.

Não me atrevo a dizer que a situação vai melhorar na Venezuela, do mesmo jeito que não memorou muito na União Soviética quando Stálin morreu. Pode até mesmo piorar pois com um pouco mais de habilidade e inteligência política pode-se disfarçar a ditadura venezuelana de uma democracia, o que valeria aplausos da esquerda escocesa, que ainda tem uma certa vergonha de aplaudi-lo em público. Afinal, é possível saquear uma grande empresa petrolífera sem necessariamente explicitar sua real natureza como o bufão de Caracas costuma fazer, não é mesmo?

No final, quando o corpo fica para trás e a alma parte para o além, o que leva? De que valeu ter saqueado uma nação, ter o poder absoluto e todas as benesses se depois estará nu diante do mesmo destino do mais humilde de seus escravos? Como justificar todo mal que fez diante daquele que nunca será enganado e que tudo sabe?

O calvário do Sr Hugo Chávez apenas começou. Ainda terá de se arrepender, sofrer e reparar tudo que fez; sua dívida é incalculável. A quem muito foi dado, muito será cobrado.

O mundo se livrou apenas de um de seus ditadores. Enquanto a ideologia seduzir tanta gente, sempre haverá espaço para eles. Afinal, nada seduz mais os inteligentes do que a promessa de promover o mundo novo que tanto sonham com a concentração do poder nas mãos de alguém que promete fazer tudo para criar este brave new world. Não se enganem, um ditador, e Hugo Chávez nada mais é do que isso, só pode existir pela existência de todo um pensamento considerado intelecutal que lhe dê suporte. Que lhe dê o material para moldar, usar em seu benefício e enganar parte de um povo, o suficiente para lhe dar o poder e a liberdade para usá-lo.

Azar de que fica pelo caminho. Como dizia Orwell em 1984, a face do poder é uma bota esmagando seu rosto.

Que Deus tenha piedade de sua pobre alma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s