Devemos ler o que não gostamos?

Retomando o assunto que levantei em post anterior, a dialética conforme proposta por Aristóteles é a melhor forma para se aproximar da verdade. Na incerteza sobre quais premissas assumir, o homem que busca o conhecimento deve confrontar as diversas opiniões sobre um determinado objeto de estudo e usar a razão para não apenas escolher a que parece mais certa, mas combinar as diversas visões. O que implica a absoluta necessidade de se estudar todos os lados de um problema. Ou seja, para um estudante sincero é necessário ler e entender o que não concorda.

A quantidade de livros já escritos na humanidade é absurda. A quantidade de livros importantes é tão elevada que ler a todos, com a profundidade que merecem, é tarefa impossível e poucos se dão conta disso. Selecionar o que vamos ler é uma necessidade, gostemos ou não de ter que fazer este tipo de escolha. Diante da limitação do que poderemos ler em nossa vida é normal que nos concentremos nos autores que gostamos e temos afinidade. O que gera um problema para quem busca o conhecimento verdadeiro: só ler o que concordamos. pilha livros

Nos fechamos a possibilidade de deixar um autor, que defende um ponto de vista oposto ao nosso, se defender e apresentar seu caso. Na grande maioria das vezes obtermos uma versão deformada do seu pensamento, pela lente de um autor que simpatizamos. A internet abriu muitas possibilidades ao homem, mas também contribuiu para reuni-los em verdadeiros guetos digitais. O meu vizinho é comunista? Sem problemas, meu grupo de discussão ou comunidade digital é formada inteiramente por libertários. É religioso? Não preciso dele, meus amigos virtuais são ateus e seculares. Afinal, o que manda é nosso perfil na rede, aproximando ou afastando pessoas em torno de seus interesses e opiniões.

O resultado como mostrado neste livro é o aumento da intolerância e distanciamento entre as pessoas. Várias experiências psicológicas mostra que quando pessoas de mesmo pensamento convivem, reforçam uns aos outros e passam a ter opiniões mais extremadas do que teriam se convivessem com grupos mais heterogêneos. Por isso empresas estão cada vez mais montando equipes com pessoas que pensam diferente, aumentando a chance de tomarem decisões mais razoáveis.

Há algum tempo tomei  a decisão de fazer um esforço para ler e entender os autores que não gosto, alguns que até desprezo. Mas não basta apenas ler, é preciso entendê-lo e colocar para si a pergunta fundamental: é possível que ele esteja certo? Mesmo que se chegue a conclusão que não, é necessário tentar identificar na argumentação do autor o que ele está certo e onde ele tomou um caminho equivocado. Se você discorda de 100% do que ele diz, duas possibilidades:

1. Você não entendeu nada que ele está dizendo. Provavelmente porque não fez um esforço sincero para entendê-lo. Ou talvez porque ele tenha realmente escrito um livro tão confuso que é impossível compreender o que ele está dizendo.

2. O autor é um completo idiota. É muito raro, mas acontece.

Uma coisa que aprendi que é muito difícil alguém se equivocar em tudo. Se isso acontece é porque o equívoco é intencional, só é possível errar em tudo quando se sabe o certo. O que está escrito não se trata da opinião do autor, mas um manifesto contra alguma coisa apenas para refutá-la.

Não é fácil ler uma obra de um autor que você não gosta, mas estou convencido que é necessário. E mais, durante a leitura deve-se suspender o juízo,  montar todo o quadro que o autor está apresentando, identificar suas proposições e argumentos. Só depois do quadro completo é que se deve começar a responder a pergunta principal: o autor está certo inteiramente ou em parte? Em que? Por que?

Esta semana comecei a ler um livro do Noam Chomsky, referência absoluta nas universidades brasileiras. Chama-se Sistemas de Poder e terminei o primeiro capítulo. Estou realmente fazendo o esforço de evitar criticar antes de entender tudo que ele tem a dizer, sem cair no erro de ficar rebatendo linha a linha o que ele está dizendo. Nem sempre é fácil.

E você, já leu intencionalmente um autor que não gosta, cujas idéias você considera erradas? Quem? Mande um comentário, não se acanhe!

Anúncios

Um comentário sobre “Devemos ler o que não gostamos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s