Nos States…

Aviões não-tripulados

Está dando o que falar por aqui. Aparentemente o governo estava usando aviões não-tripulados para executar suspeitos de terrorismo fora do país, incluindo norte-americanos. Um deles, natural do Novo México, foi executado, junto com o filho de 16 anos, no Yemem em 2011. Para piorar, quem está comandando as operações é a CIA, que legalmente não pode executar operações ofensivas desde o governo Ford. Ah, antes que pergunte, Obama sabia e autorizou as operações. Fico imaginando a gritaria se fosse o Bush, mas como é do Nobel da Paz…

Ainda Benghazi

O Senado anda fazendo uma investigação sobre a reacão do governo americano ao ataque em Benghazi no ano passado. Depois de Hillary Clinton, foi a vez do secretário de defesa, Leon Panneta ser ouvido pelos senadores. Foi o membro do governo mais veemente na defesa de que não havia outra coisa a ser feita. Essa democracia americana é mesmo uma piada. Como assim o governo ter que dar explicações ao Senado? O governo é o povo!

Resumindo o pensamento de parte dos liberais progressistas

Chris Rock esteve com outros atores de segunda linha no capitólio ontem para dar apoio a Obama no maior controle de armas. Saiu com uma declaração para colocar na parede! Estou falando que os EUA estão se abrasileirando!

I am just here to support the president of the United States,” said the former “Saturday Night Live” cast member. “The president of the United States is, you know, our boss. But he’s also, you know, the president and the first lady are kind of like the mom and the dad of the country. And when your dad says something, you listen. [And] when you don’t, it usually bites you in the [expletive] later on.

 

Anúncios

O que vai pelos states…

Turnê do controle de armas

O presidente está viajando pelo país para conseguir apoio para uma nova restringir a posse de armas. A estratégia é sensibilizar os eleitores para que estes pressione seus representantes. Pessoalmente acho que há coisas mais importantes para ele tratar do que esta questão das armas, até porque toda hora aparece um estudo mostrando que restringir armas faz muito pouco para evitar crimes. Isso sem considerar a suspeita que o efeito é exatamente o contrário, menos armas nas mãos da população, mais crimes. Sobre estes assassinatos em armas, parece que eles costumam acontecer em lugares classificados como “free-gun”, ou seja, onde o maluco de plantão sabe que não vai ter ninguém armado além dele. No fundo são um bando de covardes.

Escoteiros

Continua o debate sobre o corpo dos escoteiros aceitarem gays. Aliás, aqui temos um problema clássico de linguagem. Não é que os escoteiros não aceitem gays, eles não aceitam que um escoteiro ou especialmente um líder de escoteiros se declare abertamente gay. É a velha política de não perguntar.  Parece que os escoteiros tem essa estranha idéia que a sexualidade tem que ficar longe de seus acampamentos e atividades. Bando de malucos! Aliás, o que impedem os moderninhos de criar sua própria instituição, sem entraves para quem se declarar gay ou qualquer outra “preferência sexual”? Eu apoio essa medida. Seria interessante ver onde os decolados progressistas colocariam seus filhos.

Processo contra a S & P.

O governo federal resolveu processar a agência S & P por sua atuação durante o estouro da bolha imobiliária. Ainda estou tentando entender as alegações. Só acho interessante que este processo tenha surgido apenas no segundo mandato e pouco depois da agência ter abaixado a classificação de risco dos títulos do governo americano. Retaliação?

Menino de 5 anos libertado

Foi notícia em todo o fim de semana. Um homem de 65 anos, depois de matar o motorista do ônibus escolar, fugiu para o porão de sua casa (mais para um buncker) onde manteve um garoto de 5 anos como refém. Depois de tensas negociações, a polícia invadiu o local e salvou o garoto, que passa bem. O homem está pessoalmente se explicando com as autoridades lá de cima. O governador parabenizou a polícia e nenhuma associação de direitos humanos teve a coragem de aparecer para reclamar.

 

Notícias na terra do tio SAM

Sabatina de Chuck Hagel

O ex-senador Chuck Hagel vai hoje para a sabatina no Senado sob fogo cerrado dos republicanos. Hegel tem um passado marcadamente anti-israel e a favor dos muçulmanos. Foi um dos dois únicos senadores a não assinar um aumento das sansações contra o Irã em 2001 e um dos quatro que não assinaram um carta de apoio a Israel em 2010. Detalhe: Hegel era um senador pelo… partido Republicano! Nos últimos dias mudou o discurso e tem defendido ações mais fortes para resolver o problema do Oriente Médio. Pelo menos por aqui as sabatinas costuma ser de verdade e não aquele circo que vemos no Brasil.

Egito em colapso

Cada vez fica mais claro que o Egito está a beira do colapso e a tal primavera árabe foi um engodo. Para piorar, começam a aparecer informações que a Líbia se tornou um centro de abastecimento de armas para os países vizinhos, notadamente Nigéria e Mali. Já se fala em intervenção americana no centro da África pois estão se configurando novos celeiros de terrorismo, como foi o Afeganistão antes do 11 de setembro. Mais dor de cabeça para o orelhudo.

Retração da economia

Um balde de água fria. O anúncio esta semana da retração econômica do último trimestre do ano passado arranhou o discurso de recuperação de Obama, que prontamente colocou a culpa nos deputados republicanos. Sobrou até para o furacão Sandy, aquele que teve jornalista agradecendo por garantir o segundo mandato do ídolo. O fato é que a economia americana não decolou mesmo depois de 4 anos de “estímulo” dos democratas.

Nos States…

Nova seção do blog para dizer o que anda em notícia aqui nos States, já que a imprensa brasileira só sabe filtrar do NYT as notícias que lhe interessam!

Aprovação do aumento do teto da dívida

Mais uma vez deputados e senadores aprovaram o aumento do teto da dívida, o que dá alguma fôlego por uns meses. O governo não dá o menor sinal de querer diminuir o gasto público e sempre ameaça cortar dos programas sociais e colocar a culpa nos republicanos, como se este fosse o único possível corte do orçamento. Hoje ameaçaram cortar das vítimas do furacão Sandy, só para não perder a forma. Os republicanos acabam cedendo para não ficar abraçado a imagem que foram responsáveis por cortes nos programas sociais. O fato é que a questão vai sendo empurrada pela barriga, como sempre.

Nova lei de imigração

O governo está finalizando uma proposta de lei para a imigração. Há 11 milhões de imigrantes ilegais nos Estados Unidos, a grande maioria mexicanos e latinos. É outra questão delicada para republicanos que se endurecerem demais acabam engordando os votos democratas junto aos imigrantes que vão se legalizando. A maioria dos americanos querem uma legislação que crie um caminho para a legalização dos imigrantes que já estão por aqui, mas com verificação de antecedentes e que eles aprendam inglês, mais ou menos o que sempre defendeu o Senador republicano John McCain.

Endurecimento na compra de armas

Um dos itens da agenda de Obama, que ganhou força depois do último massacre. Pelo que ouvi as medidas serão mais midiáticas do que práticas, já que grande parte dos americanos já possuem armas e há uma grande discussão sobre o que configuraria uma arma automática. Tomar decisões e fazer leis movidos pela emoção de uma tragédia pode ser algo perigoso.

Gays nos escoteiros

Pois é, também está no noticiário que o movimento dos escoteiros americanos está discutindo a possibilidade de aceitar gays em seus corpos. Outra pegadinha linguística. Sempre houveram gays entre os escoteiros, o que se discutem agora é se pode ser escoteiro e afirmar a condição de gay. É a tal da identidade gay, seja lá o que for isso. Os escoteiros adotavam o lema das forças armadas do “don’t ask, don’t tell”. Parece que não é suficiente.

 

Mundo superpovoado?

Aposto que se fizerem uma pesquisa de percepção, perguntando às pessoas se consideram o mundo superpovoado, a esmagadora maioria consideraria que sim. Afinal, somos quase 7 bilhões de pessoas no globo! A imagem que nos vem a mente é da Índia , o metrô de São Paulo na hora do rush, a cidade de New York. Certamente temos gente demais no planeta e pior, continua crescendo.  Mas será esta percepção verdadeira?

Ontem sai de Brasília para levar o carro de minha mãe para Campo Grande. Dormi em Jataí, no interior de Goiás, e cheguei hoje à tarde ao meus destino final. Foram 1050 km de percurso. Deu para contar nos dedos das duas mãos as cidades que atravessei; a grande maioria mais para vilas do que propriamente para cidades. Cheguei a fazer um percurso hoje de mais de quase 200 km entre uma cidade e outra. Imensas fazendas com áreas a perder de vista e um enorme vazio.

O problema do número bilhão é que automaticamente nos sugere um número gigantesco, que foge à nossa percepção. Basta ver que não conseguimos registrar esse número em 99% das calculadoras do mundo. Mas será um número necessariamente grande?

Vejo que o corpo humano tem 10 trilhões de células. Comparado com este número, um bilhão parece pouca coisa. Parece que temos um total de 5 milhões de km3 de água doce no planeta. Todos parecem concordar que essa quantidade é pouca, mas se mudarmos de unidade, para hm3, chegaremos a 5 bilhões; se levarmos para litros então, não sei nem como expressar.

Ou seja, o número em si, não representa nada. O que sabemos é que não há dúvida que o metrô de São Paulo, na estação da Sé, as 18:00 de um dia de semana é insuportável. No entanto, no mesmo horário, há pessoas caminhando tranquilamente no Parque do Ibirapuera. E as praias do Rio de Janeiro estão praticamente vazias, boas para uma partida de futebol de areia.

Fiquei pensando o que aconteceria se toda a população do mundo fosse deslocada para o Brasil. Teríamos uma densidade de 747 pessoas por km2. Seria a maior do mundo? Vou no google. Seria a décima, logo depois de Jersey, aquela ilha que condenou o Maluf. E o primeiro, qual seria? China? Índia? Que nada, Mônaco! Um país que está muito longe de ser considerado um inferno para se viver! Lá a densidade é de inacreditáveis 16.000 habitantes por km2! A própria Nova Iorque tem uma densidade de 10.000 habitantes por km2, e seus moradores adoram a cidade.

Retomando, se toda a população do mundo fosse colocada no Brasil, a densidade seria vinte vezes menor que o principado de Mônaco. E o resto do mundo estaria desabitado! Parece um mundo superpovoado? Ou parece um mundo com algumas regiões superpovoadas, bem poucas por sinal? Sobre a China, sempre uma referência para superpopulação, a densidade é menor que a dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na relação de países do mundo, fica no lugar 54. A Suiça, aquele país inóspito, fica em 44.

Se aplicássemos a densidade da Suiça no tamanho do planeta, teríamos uma população no planeta de 27,6 bilhões de pessoas.

A segunda questão seria se estamos nesse caminho. Contrariando todas as previsões, as taxas de crescimentos estão caindo fortemente, inclusive na África e Sudeste Asiático. Nestes locais elas ainda são relativamente altas, cerca de 4 filhos por mulheres, mas era de mais de 8 há pouco tempo atrás e continua caindo. O mundo como um todo está na faixa de 2,2, justamente a de estagnação populacional, mas cairá ainda mais em uma década. Significa que chegaremos nos 8 bilhões em 2050 (26 anos de 7 para 8). Já maior do que os 12 anos de 1963 a 1975. Ninguém arrisca dizer se chegaremos algum dia nos 9. Mais provável que terminemos o século em torno de 7. Já há modelos prevendo 6 bilhões.

Em resumo, minha imagem de um mundo de imensos vazios demográficos não estava completamente errada; nem minha intuição de um planeta surpreendentemente subpovoado. Parece que o principal fator é a urbanização, que está longe de diminuir para as próximas décadas. Ainda há continentes inteiros vivendo no campo. Talvez o grande desafio da humanidade não seja enfrentar um suposto crescimento, mas de ter um mundo mais distribuído. Não há como viver todo mundo em algumas poucas cidades. Para reflexão.

O Silêncio dos justificadores do terrorismo

Vejam a capa da revista Placar.

https://coisasdojota.files.wordpress.com/2012/09/neymarcristo.jpg?w=227

Cadê a gritaria do beautiful people? Por que essa imagem pode e um filme tosco no youtube satirizando maomé não pode? Se pensarmos bem, talvez essa imagem seja muito mais ofensiva do que aquela porcaria que só foi visto pelo mundo depois dos atos terroristas no Oriente Médio.

Ah, mas é diferente. Os cristãos não se incomodam…

Não é que não se incomodem, mas é que simplesmente não saem matando gente para mostrar que estão incomodados. Isso significa civilização, respeito à pessoa humana.

Quem quer justificar o terrorismo sempre encontra uma forma.