Mundo superpovoado?

Aposto que se fizerem uma pesquisa de percepção, perguntando às pessoas se consideram o mundo superpovoado, a esmagadora maioria consideraria que sim. Afinal, somos quase 7 bilhões de pessoas no globo! A imagem que nos vem a mente é da Índia , o metrô de São Paulo na hora do rush, a cidade de New York. Certamente temos gente demais no planeta e pior, continua crescendo.  Mas será esta percepção verdadeira?

Ontem sai de Brasília para levar o carro de minha mãe para Campo Grande. Dormi em Jataí, no interior de Goiás, e cheguei hoje à tarde ao meus destino final. Foram 1050 km de percurso. Deu para contar nos dedos das duas mãos as cidades que atravessei; a grande maioria mais para vilas do que propriamente para cidades. Cheguei a fazer um percurso hoje de mais de quase 200 km entre uma cidade e outra. Imensas fazendas com áreas a perder de vista e um enorme vazio.

O problema do número bilhão é que automaticamente nos sugere um número gigantesco, que foge à nossa percepção. Basta ver que não conseguimos registrar esse número em 99% das calculadoras do mundo. Mas será um número necessariamente grande?

Vejo que o corpo humano tem 10 trilhões de células. Comparado com este número, um bilhão parece pouca coisa. Parece que temos um total de 5 milhões de km3 de água doce no planeta. Todos parecem concordar que essa quantidade é pouca, mas se mudarmos de unidade, para hm3, chegaremos a 5 bilhões; se levarmos para litros então, não sei nem como expressar.

Ou seja, o número em si, não representa nada. O que sabemos é que não há dúvida que o metrô de São Paulo, na estação da Sé, as 18:00 de um dia de semana é insuportável. No entanto, no mesmo horário, há pessoas caminhando tranquilamente no Parque do Ibirapuera. E as praias do Rio de Janeiro estão praticamente vazias, boas para uma partida de futebol de areia.

Fiquei pensando o que aconteceria se toda a população do mundo fosse deslocada para o Brasil. Teríamos uma densidade de 747 pessoas por km2. Seria a maior do mundo? Vou no google. Seria a décima, logo depois de Jersey, aquela ilha que condenou o Maluf. E o primeiro, qual seria? China? Índia? Que nada, Mônaco! Um país que está muito longe de ser considerado um inferno para se viver! Lá a densidade é de inacreditáveis 16.000 habitantes por km2! A própria Nova Iorque tem uma densidade de 10.000 habitantes por km2, e seus moradores adoram a cidade.

Retomando, se toda a população do mundo fosse colocada no Brasil, a densidade seria vinte vezes menor que o principado de Mônaco. E o resto do mundo estaria desabitado! Parece um mundo superpovoado? Ou parece um mundo com algumas regiões superpovoadas, bem poucas por sinal? Sobre a China, sempre uma referência para superpopulação, a densidade é menor que a dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na relação de países do mundo, fica no lugar 54. A Suiça, aquele país inóspito, fica em 44.

Se aplicássemos a densidade da Suiça no tamanho do planeta, teríamos uma população no planeta de 27,6 bilhões de pessoas.

A segunda questão seria se estamos nesse caminho. Contrariando todas as previsões, as taxas de crescimentos estão caindo fortemente, inclusive na África e Sudeste Asiático. Nestes locais elas ainda são relativamente altas, cerca de 4 filhos por mulheres, mas era de mais de 8 há pouco tempo atrás e continua caindo. O mundo como um todo está na faixa de 2,2, justamente a de estagnação populacional, mas cairá ainda mais em uma década. Significa que chegaremos nos 8 bilhões em 2050 (26 anos de 7 para 8). Já maior do que os 12 anos de 1963 a 1975. Ninguém arrisca dizer se chegaremos algum dia nos 9. Mais provável que terminemos o século em torno de 7. Já há modelos prevendo 6 bilhões.

Em resumo, minha imagem de um mundo de imensos vazios demográficos não estava completamente errada; nem minha intuição de um planeta surpreendentemente subpovoado. Parece que o principal fator é a urbanização, que está longe de diminuir para as próximas décadas. Ainda há continentes inteiros vivendo no campo. Talvez o grande desafio da humanidade não seja enfrentar um suposto crescimento, mas de ter um mundo mais distribuído. Não há como viver todo mundo em algumas poucas cidades. Para reflexão.

Verdadeiro reconhecimento

Uma mamãe me diz algo perturbador: o único reconhecimento que peço a meus filhos, por tudo que fiz, é que façam o mesmo e assim continuem.

E assim continuem… Uma verdadeira ética do devir. A outra ética mantém o mundo no lugar. Se o irmão do filho pródigo tem filhos, com segurança lhes pede reconhecimento. É o tipo de homem que mantém o mundo no lugar. (Constantin Noica)

Aqui chegamos no centro do problema do mundo ocidental hoje, a recusa em fazer o mesmo que seus pais fizeram por eles. Como pode uma civilização ser considerada feliz e ao mesmo tempo negar à vida? Sempre que alguém vem da Europa deliciado com o mundo rico e quase perfeito eu me pergunto: onde estão as crianças? Se tudo é tão perfeito, tão limpinho e fácil, por que nem com incentivo pesado pelos governos não se quer ter filhos?

Desculpas não faltam. O problema é que justamente as famílias que teriam mais motivos para criar filhos, pois possuem as melhores condições para educá-los, são as que recusam este papel. Precisam viver o presente. Pobres almas; não percebem o que estão abrindo mão. Tudo se esvanece, assim como esse presente tão importante que nos obriga a não pensar no passado e no futuro. Somos felizes com nossos irmãos, mas recusamos muitas vezes ao nosso filho único a benção que tivemos. Como nossos pais eram irresponsáveis? Colocar filhos num mundo desses?

Chesterton ensinava que para manter algo como está era preciso estar sempre renovando. Dava o exemplo da cerca branca. Deixada à própria sorte, logo perderia sua cor, mas pintada regularmente seria sempre branca. Estamos fazendo o mesmo com o mundo, estamos deixando-o à sua própria sorte. Isso que Noica quer dizer com a ética do devir. Já o irmão do filho pródigo trabalha pela ética de manter o mundo no seu lugar. Justamente por isso esse mundo terminará se degradando.

A decadência já começou e os primeiros sinais apareceram, embora sejam constantemente ignorados, computados como resultados de alguma crise econômica qualquer. Não será uma decadência lenta como esperam, será explosiva e haverá muita destruição. Prestem atenção na Europa nos próximos anos. Nunca se viu igual fenômeno na face da Terra; nunca uma civilização decidiu por suicidar-se em uma velocidade tão extrema.

O materialismo cobra seu preço.