State of the Union

Hoje é um dia importante na simbologia do presidencialismo americano; é o dia do discurso do State of the Union.

A tradição tem sua raiz na constituição americana que prevê que o Presidente da República se dirija anualmente ao Congresso para informar a situação da nação e sua agenda legislativa.

He shall from time to time give to Congress information of the State of the Union and recommend to their Consideration such measures as he shall judge necessary and expedient.

A data do discurso varia entre meio de janeiro e meio de fevereiro e é televisionado para todo o país.

O partido de oposição realiza em seguida sua resposta ao State of the Union, em um estúdio fora do Congresso e também televisionado. Nos últimos anos o discurso de resposta foi feito em inglês e espanhol e este ano caberá ao senador republicano Marco Rubio apresentar as duas versões. Rubio, de origem latina, é uma das apostas do partido para 2016.

A aposta nos comentaristas políticos por aqui é que Obama seguirá o tom do seu discurso de inauguração do segundo mandato, partindo para o confronto com os republicanos. Para quem foi eleito em 2008 promentendo ser um presidente acima da disputa entre os partidos, fica mais uma promessa de campanha jogada no lixo. Sob aplausos da maioria dos democratas que querem mesmo é ver o sangue derramado.

A conferir.

Anúncios

O poder dos debates

Esqueçam aquela coisa insossa que estamos acostumados a ver no Brasil. Debate mesmo é o que está acontecendo nas primárias dos republicanos; esse sim um verdadeiro reality show.

Essa semana foi devastadora para Newt Gingrich, que caminhava para virar o jogo na Flórida. Deu tudo errado. Sem timing e principalmente sem respostas, foi trucidado por um surpreendentemente confiante Mitt Romney, que mostrou que pode sim debater com o orelhudo.

Dos quatro candidatos, acho que Santorum é o melhor deles, mas suas chances são insignificantes. Newt tem muitas vulnerabilidades e a única coisa que o segurava era a vontade de parte dos eleitores republicanos em ver alguém dizendo para Obama o que ele merece ouvir, mesmo que perdesse as eleições. Seu desempenho na Flórida deixou os republicanos preocupados da coisa sair pelo avesso.

Mitt tem chances reais de vencer, principalmente pelo fraco desempenho do orelhudo. Não se deixem enganar pela visão estrangeira do homem; dentro de casa, tirando a mídia, o clima é de decepção por quem não entregou nada do que prometeu. Dependendo do quadro econômico, podemos ter um presidente republicano no próximo ano, principalmente se for Romney.

Meu palpite: Romney leva a Florida e vai passar algum tempo debatendo com Ron Paul antes de ser confirmado candidato. Pelo menos é melhor que o McCain.