Mais sobre a lei que obriga parte dos brasileiros a pagar o dobro do que outra parte, ou seja, a lei da meia-entrada

Já tinha tratado o assunto antes aqui

Pois agora sai um estudo que mostra o que já é óbvio para quem tem conhecimento básico de economia, a meia-entrada não traz benefícios reais para quem a recebe. É tudo ilusão que só favorece dois grupos, quem distribui a carteirinha de estudante e os políticos que passam a imagem de estar lutando contra as injustiças sociais.

Mais, o estudo evidencia também que Não há transferência de renda nos efeitos reais dessa política equivocada. Ao contrário, a média de renda do beneficiado é superior a quem paga o benefício!

Deixem o livre mercado funcionar! 

As soluções apresentadas são apenas remendos, não há solução possível para um problema que tem seus fundamentos completamente equivocados. Na verdade há, a extinção da lei e seus efeitos. 

A meia-entrada é acima de tudo uma estupidez monumental! Tanto para quem usa o falso benefício como quem tem que pagar o dobro para justificar o preço do ingresso. Sim, pois seria mais fácil para os produtores darem meia-entrada para todo mundo, mas como tem que justificar a meia-entrada, alguns poucos (estima-se que menos de 20% dos pagantes) tem que pagar o dobro. Um absurdo.

Só para deixar mais evidente a burrice generalizada: qual o sentido de passar alguns anos pagando um valor X para passar o resto da vida pagando 2X? Tirem as camadas de mentira e no final vocês tem a realidade:

1) O preço dos ingressos são quase o dobro do que seriam sem a lei;

2) Quem recebe o benefício agora vai passar mais tempo depois pagando o dobro;

3) Normalmente quem recebe o benefício ganha mais do que quem está pagando;

4) Só se beneficia em realidade quem emite as carteiras. E quem emite? Um aparelho comunista chamado UNE, controlado pelo… PCdoB! Só no Brasil um partido comunista controla uma entidade que teoricamente representaria todos os estudantes do país!

Diga não a essa droga! 

Ou extingue a lei da meia-entrada ou a expande para todo mundo. 

E não aparece um partido para defender essa bandeira! País sem direita é um país sem democracia.

Rock In Rio 2

Deixa eu ver se entendi…

Nas últimas semanas tivemos os seguintes crimes noticiados:

Um menor drogado assalta e mata um universitário a sangue frio.

Uma quadrilha de drogados taca fogo em uma destista revoltados por ela ter apenas 30 reais no banco. Detalhe, foram para o assalto de audi.

Um outro drogado invade um ônibus na avenida brasil, assalta todo mundo e estupra uma mulher, tudo às seis horas da tarde!

Todas as vítimas eram pobres. Nem todos os assassinos eram. Estranho país onde quem tem mais assalta quem tem menos, não é mesmo?

E os descolados se reunem em Brasília, com patrocínio do ministério da educação, já falei que tinhamq eu fechar esta porcaria, ONGs que vivem de dinheiro público, para “debater” a liberação das drogas?

Nos jornais, a mídia, que ocupou o lugar do que seria alta cultura, estranha que os pobres sejam tão atrasados a ponto de não entenderem sua visão progressista. Vai ver que é porque:

– pobre anda de ônibus
– pobre é assaltado por drogados
– pobre é estuprado por drogados
– pobre é queimado vivo por drogados
– pobre tem os filhos captados pelo tráfico
– pobre convive diariamente com a violência provocada pelas drogas
– pobre não vive em condomínio fechado
– pobre não tem como se isolar da sociedade, pelo menos da parte que não presta

Realmente, não dá para entender porque os mais pobres não compreendem tanta visão!

Nojo deste pessoal que acha que sabe o que é melhor para os outros. Nojo deste pessoal que pelo prazer de se drogar em paz estão pouco se lixando para o que acontece para os outros. Nojo deste pessoal que por sua ideologia fecham os olhos para a realidade.

E por fim, mais uma vez, um obrigado todo especial ao Supremo Tribunal Federal que rasgou a constituição e permitiu a apologia explícita ao uso de drogas como forma de liberdade de expressão.

Warren Haynes, o incansável!

Ontem fomos no show do Gov’t Mule no belíssimo Mahalia Jackson Theater em New Orleans.

A banda tocou por mais de três horas. Simplesmente não pareciam querer parar. Chamaram meio mundo para tocar jams no palco com eles, aproveitando o Jazz Fest que está acontecendo na cidade.

Um set muito interessante, que não se prendeu no óbvio e de quebra inseriu covers como Whole Lotta Love, Love Me Do e Mr Fantasy. No palco, uma banda tocando o fino, com Haynes comandando o show.

O cara tem sua banda solo, o Gov’t Mule e ainda encontra tempo para tocar no Allman Brothers. Vai do blues até o reggae, passando por rock e soul. Um mestre!